Ordem online para o progresso do Brasil

By outubro 25, 2018Uncategorized
Fake News in Brazil

2018 pode ser o ano da Copa do Mundo, mas para os brasileiros, o evento que terá um alcance muito maior é as próximas eleições presidenciais. Em outubro, mais de 140 milhões de eleitores não apenas decidirão o presidente do Brasil pelos próximos quatro anos, mas também governadores, senadores e deputados estaduais e federais.

Pela primeira vez na história deste país, os veículos tradicionais de informação (televisão, rádio, jornais e revistas) não detém mais o poder sobre as discussões políticas da sociedade brasileira. As mídias sociais têm sido e continuarão sendo fundamentais na formação da opinião.

Com um grande potencial para incentivar o debate público permitindo a participação direta da população, as mídias sociais também têm o potencial para gerar a polarização política. Isso se deve principalmente à maneira como acessamos informações e notícias pelas plataformas sociais. Os algoritmos nos conectam a conteúdos que mais nos interessam e a pessoas que têm crenças e opiniões parecidas as nossas, dividindo a sociedade em pontos de vista contraditórios. Esse sistema também reforça o fenômeno da pós-verdade, no qual o fato está perdendo importância no debate político. As pessoas querem ler algo que reafirme o seu ponto de vista, seja mentira ou verdade.

Em meio ao crescente debate mundial sobre a disseminação de notícias falsas e suas consequências à democracia, o governo brasileiro está em constante discussão com a imprensa e as principais empresas de mídia social sobre como combater o problema, que também afetou outros países como no caso das eleições dos Estados Unidos, e na Grã-Bretanha, quando os eleitores votaram por deixar a União Europeia.

Por um lado, o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Luiz Fux, já afirmou que a eleição poderá ser anulada caso o resultado tenha sido influenciado pelas notícias falsas. Para o ministro, a propagação de notícias falsas “destrói candidaturas e atenta contra a democracia”.

Do outro lado, o Facebook lançou no início deste ano no Brasil seu programa de verificação de notícias, em parceria com as plataformas de checagem Aos Fatos e Agência Lupa. Ambas empresas são formadas por grupos de jornalistas independentes e foram escolhidas porque integram a International Fact-Checking Network (IFCN), rede internacional de checagem de dados. Depois dos Estados Unidos, o Brasil também será o segundo país a adotar a ferramenta do Facebook que identifica anúncios de conteúdo político. O processo de cadastro dos candidatos, partidos e coalizões que participarão das eleições teve início nesta quinta-feira, 16. A partir de agora, haverá uma indicação de que qualquer anúncio político no seu feed de notícias é “Propaganda Eleitoral”, acompanhado do número do CPF ou CNPJ do anunciante.

Uma das plataformas mais usadas pelos brasileiros, o WhatsApp também decidiu limitar o encaminhamento de mensagens a 20 grupos por vez, como forma de diminuir a possibilidade de proliferação das notícias falsas. Já o foco do Twitter será verificar e combater o que a empresa chama de “contas automatizadas mal-intencionadas e/ou que disseminam spam”, perfis falsos ou os chamados robôs.

O debate de como combater as noticias falsas está longe de acabar e não é apenas um problema brasileiro – vários países discutem a atualização de suas leis sobre o assunto. A única certeza é que a Internet e as mídias sociais transformaram o exercício da democracia e da própria cidadania. Não há caminho de volta. Agora, resta a pergunta: como colocaremos ordem nessa confusão de informações e instruiremos a sociedade rumo ao progresso?

Leave a Reply

X
Sherlock Comms Logo

Are you looking for an agency in PR Agency in Latin America?

Drop us an email and we'll get back to you as soon as possible!

Get in Touch!
%d blogueiros gostam disto: